Portugués: 

Parasha baalotecha. Esta parasha possuem diversos assuntos. Muitos deles com reclamações devido aos prazeres da mesa. Durante quarenta anos fomos alimentados milagrosamente por algo inédito «o manah», que possuía o sabor que desejamos. Surpreendentemente a alegação era da gratuidade das iguarias que recebíamos durante a escravidão no Egito. Se não recebíamos palha para a confecção dos tijolos, muito menos de peixes saborosos. A resposta de nossos sábios é que agora como servos do Eterno estamos obrigados ao cumprimento dos mandamentos. Com certeza é melhor uma vida virtuosa ao lado do Criador, do que ser escravo dos nossos instintos.

Shabat Shalom

Español:

Parasha Baalothecha. Esta parashá tiene varios temas. Muchos de ellos con quejas por los placeres de la mesa. Durante cuarenta años nos nutrimos milagrosamente de algo inaudito, «el manah», que tenía el sabor que queríamos. Sorprendentemente, la afirmación era que los manjares que recibíamos durante la esclavitud en Egipto eran gratuitos. Si no recibimos paja para hacer los ladrillos, mucho menos sabroso pescado. La respuesta de nuestros sabios es que ahora, como servidores del Eterno, estamos obligados a cumplir los mandamientos. Ciertamente es mejor vivir una vida virtuosa junto al Creador que ser esclavo de nuestros instintos.

Shabat Shalom

Italiano:

Parasha Baalothecha. Questa parasha ha diversi argomenti. Molti di loro con lamentele dovute ai piaceri della tavola. Per quarant’anni siamo stati miracolosamente nutriti da qualcosa di inaudito, «il manah», che aveva il sapore che volevamo. Sorprendentemente, l’affermazione era che le prelibatezze che abbiamo ricevuto durante la schiavitù in Egitto erano gratuite. Se non abbiamo ricevuto la paglia per fare i mattoni, figuriamoci il pesce saporito. La risposta dei nostri saggi è che ora, come servitori dell’Eterno, siamo obbligati ad adempiere i comandamenti. È certamente meglio vivere una vita virtuosa accanto al Creatore che essere schiavo dei nostri istinti.

Shabbat Shalom

English:

Parasha Baalothecha. This parasha has several subjects. Many of them with complaints due to the pleasures of the table. For forty years we were miraculously nourished by something unheard of, «the manah», which had the flavor we wanted. Surprisingly, the claim was that the delicacies we received during slavery in Egypt were free. If we didn’t receive straw for making the bricks, let alone tasty fish. The answer of our sages is that now, as servants of the Eternal, we are obliged to fulfill the commandments. It is certainly better to live a virtuous life alongside the Creator than to be a slave to our instincts.

Shabbat Shalom

Dr. Nenê Sobel